Poesia Musicada

Quando falo em boa música é difícil não pensar também em poesia.  E quando falo de poesia é impossível não pensar em Carlos Drummond de Andrade. Para mim, a presença dele sempre foi muito forte, desde os estudos nas escolas até as pesquisas mais profundas feitas para alguns trabalhos como publicitário.

Drummond foi um gênio e, como tal, referência para muitos artistas das mais diversas artes. Na música foi inspiração para grandes nomes como Belchior, Milton Nascimento, Adriana Calcanhoto, entre outros, que musicaram na íntegra alguns de seus poemas.

Em outros casos serviu de inspiração para novas obras musicais, como, por exemplo, na música “Flor da Idade”, de Chico Buarque, que faz uma adaptação do poema “Quadrilha”, de Drummond.

Drummond, além de inspirar musicistas com sua poesia, também se tornou tema de escolas de samba.  A Unidos de Vila Isabel, em 1980, e a Mangueira, campeã em 1987, tiveram como enredo o Poeta Maior.

Mais do que descrever é incrível ouvirmos essas canções sendo interpretadas por artistas de todo mundo. Vou colocar aqui algumas canções que foram, de alguma forma, criadas sob as asas de Drummond.

Thelmo Lins gravou um CD completo com poemas de Drummond na íntegra. Ficou demais.

Para ouvir todas as canções do álbum “Thelmo Lins Canta Drummond” acesse: http://www.cantadrummond.tnb.art.br/.

Belchior canta Sentimental de forma monumental:

Em 1976, Martinho da Vila gravou “Rosa do Povo”, inspirado na obra homônima de Carlos Drummond de Andrade. Ouça a música João e José:

José Miguel Wisnik, com sua voz única, canta “Anoitecer”. Linda homenagem:

Paulo Diniz interpreta uma das mais conhecidas e populares poesias de Drummond: “E agora, José?”.

E, para terminar, esse lindo som do Samuel Rosa cantando o “Poema das Sete Faces”. Ficou demais!

Comentários

André Luiz é publicitário, sócio fundador da Origami Propaganda, músico e um apaixonado pelo cinema. Viciado em páginas de Design e programas de culinária, mesmo sem saber aplicar nada na cozinha. Amante do futebol, tanto no campinho do bairro quanto nos grandes estádios, e das suas companhias: o "tira-gosto" e a cerveja.