PORTUGUÊS: Pegadinhas na Língua Portuguesa

Prezados leitores, esta semana vamos tratar de algumas pegadinhas que aparecem frequentemente em concursos. Elas derrubam aqueles menos atentos ou com pressa em entregar a prova. Por isso é sempre bom fazer a prova ou teste com calma. Como diz o ditado: “Apressado come cru”.

Vamos às pegadinhas:

Ela quer se aparecer – termo muito usado e completamente errado. Certos verbos jamais podem ser usados com pronomes. É o caso típico do verbo intransitivo aparecer, que não admite voz reflexiva. Não se pode aparecer ninguém e, também, aparecer a si mesmo. Então, escreve-se corretamente, assim: Ela quer aparecer. 

Inglaterra confirma invasão ao Iraque – jamais poderá ocorrer invasão a lugar algum. Porém, o que é possível acontecer é invasão de algum lugar. Escreve-se com correção, dessa forma: Inglaterra confirma invasão do Iraque. Outros exemplos escritos corretamente: invasão de privacidade, invasão de domicílio, a invasão do estádio pela polícia deu-se às 20 horas de ontem.

O acidente aconteceu porque o motorista dormiu no volante – para que alguém consiga dormir no volante, é necessário que este seja, no mínimo, do tamanho de uma cama.  Então, melhor seria dormir no banco do automóvel ou, mais adequadamente, em uma cama com mais conforto. Quem dorme bem, dorme em algum lugar. Já “dormir próximo” ou “junto” significa dormir a (preposição) com o respectivo artigo (o ou a). O correto seria escrever: o acidente aconteceu porque o motorista dormiu ao volante. Mais exemplos escritos de forma correta: a moça dormiu ao computador, Romeu dormia à janela de julieta.

Marcos é um parasita da mulher – parasita, com  “a” final, é denominação exclusiva de certas plantas.  Para pessoas e animais, usa-se parasito. O correto seria escrever:  Marcos é um parasito da mulher. Outros exemplos de frases escritas corretamente: Raquel age como um parasito da mãe. Há sujeitos que são autênticos parasitos da sociedade. Precisamos exterminar as parasitas que estão nessa árvore. As parasitas debilitaram nosso pomar.

Não fiz o dever de matemática – para muitas pessoas, há uma confusão muito grande,  envolvendo os significados das palavras  dever e  deveres. Inicialmente, determinemos suas semânticas, conforme os bons dicionários:

dever: obrigação;
deveres: tarefas (sempre no plural).

O exemplo seguinte economiza muita explicação e esclarece a questão: O dever de cada estudante é fazer seus deveres escolares. Talvez, esta regrinha ajude a estabelecer com mais clareza a distinção:

deveres (tarefas) se fazem;
dever (obrigação) se cumpre.

Outros exemplos: ele cumpriu o dever de pai, o dever de todo militar é servir o seu país, deixei de fazer os deveres de geografia, ela não dá conta de realizar os deveres domésticos, precisa de uma empregada. Então, a frase original, corrigida, fica assim: Não fiz os deveres de matemática.

Na próxima semana continua com essas importantes dicas. Boa leitura e bom aprendizado. Até lá!

Fonte de pesquisa: Portal Tudo Sobre Concursos.

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.