MÚSICA: Novidades nacionais

E aí galera, ano novo vida nova! Então, hoje decidi indicar a vocês algumas bandas com discos lançados recentemente e que são a nova cara da música nacional. Tem vários estilos, mas todos com muita qualidade e mostrando que a música brasileira não é só o que toca em nossas rádios.

Vamos lá!

Começo indicando a banda Troco em Bala, lá de Maceió (AL), que em 2015 lançou o disco “Agreste”, onde apresenta um Indie Rock com ênfase nos vocais e riffs de guitarra. É um álbum para nos orgulharmos do Rock nordestino. Vale a pena ouvir!

Ainda no nordeste, temos a Kung Fu Johnny, do Rio Grande do Norte. Com um estilo Blues Rock, os caras mandam um som que não fica devendo nada às maiores bandas mundiais do estilo. O disco “Day by Day” é pra fazer parte dos favoritos da nossa playlist. Sem contar que a capa do disco é demais.

Quem também está nessa lista é a magnífica e já conhecidíssima Maria Gadú, que lançou em 2015 o álbum “Guelã”. Mais experiente e diversificando mais nas composições, Gadú faz um som lindo assinado com sua voz única e irresistível. Não é à toa que ela é a artista nacional com mais convites para duetos com grandes nomes da nossa música.

Falar de disco bom da melhor banda de Hardcore do Brasil, o Dead Fish, é “chover no molhado”, mas os caras lançaram uma pedrada em forma de disco em 2015. Intitulado “Vitória”, o álbum mantém o tom crítico e questionador da banda, além dos ritmos frenéticos das músicas que nos fazem querer sair pulando e trombando em tudo pela frente.

O disco “Estilhaça”, da dupla Letícia Novaes e Lucas Vasconcellos, o Letuce, é melhor definido como moderno. Com foco total no vocal de Letícia, o disco usa de arranjos lindíssimos de guitarras e sintetizadores, que são base para as mais diversas interpretações dessa grande cantora.

Goiânia sempre foi um dos maiores cenários independentes do Brasil, e por isso vira e mexe lança grandes bandas. O disco “Bastard Sons of Rock ‘n’ Roll”, dos caras do Overfuzz, faz o mais puro Rock and Roll. Com um vocal magnífico e solos incríveis, a banda é uma das melhores em atividade no Brasil.

O trio carioca Ventre lançou em 2015 um disco com o mesmo nome. Uma obra de arte que percorre todos os caminhos do Indie Rock. As canções têm muita alma e identidade. Algumas tiram o fôlego e outras são capazes de levar às lagrimas. As letras são um retrato da vida e fogem da mesmice que ouvimos nas rádios diariamente. Escute e se impressione.

Pra terminar esta lista eu indico o disco “Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa” do grande rapper Emicida. O álbum é uma grande homenagem às nossas origens africanas. É uma mistura de relatos sobre a viagem feita pelo rapper por alguns países africanos e uma reflexão sobre a sua própria história. Um disco maduro e sincero de um cara que trouxe à tona novamente o rap e o hip hop nacional, prezando pela qualidade das composições e dos arranjos.

OBS.: Não citei aqui o disco que, para mim, foi o melhor de 2015: “A Mulher do Fim do Mundo”, da grande Elza Soares, porque fiz na coluna passada uma análise exclusiva dele. Clique aqui e confira!

Semana que vem continuo essa lista indicando os melhores álbuns que foram lançados em 2015, em minha opinião. Se tiverem sugestão, coloquem nos comentários.

Abraço!

Comentários

André Luiz é publicitário, sócio fundador da Origami Propaganda, músico e um apaixonado pelo cinema. Viciado em páginas de Design e programas de culinária, mesmo sem saber aplicar nada na cozinha. Amante do futebol, tanto no campinho do bairro quanto nos grandes estádios, e das suas companhias: o "tira-gosto" e a cerveja.