GASTRONOMIA: Para fazer bonito na cozinha – bolinho de abóbora com carne seca

A receita de hoje é um tira gosto de fazer vista para todo mundo: tanto para a família no fim de semana quanto para botar banca de chef nos amigos. A massa do bolinho é de abóbora moranga e sugere um recheio de carne seca, mas você pode aproveitar a Semana Santa e usar bacalhau, camarão ou qualquer outro peixe. Para o dia a dia, pode variar o tipo de carne e para os vegetarianos uma boa opção é o queijo, que cai feito uma luva.

Bolinho de abóbora com carne seca

Ingrediente 

  • 1 abóbora moranga com cerca de 1,5 kg;
  • 300g de carne seca dessalgada e desfiada;
  • 1/2 cebola branca bem picadinha;
  • 2 colheres (sopa) de manteiga de garrafa;
  • 1 dente de alho batido;
  • Óleo de canola ou milho à vontade;
  • Farinha de trigo o quanto baste;
  • 1 colher (café) de manteiga;
  • 1 colher (chá) de azeite;
  • 300g de catupiry;
  • Farinha de rosca ou panko o quanto baste.

Modo de fazer

Descasque a abóbora e corte-a em cubos.  Em uma panela, aqueça uma colher (sopa) de óleo e doure o alho. Acrescente a abóbora, uma pitada de sal, cubra com água e deixe cozinhar até ficar bem macia. Passe a abóbora num processador para que vire um creme homogêneo.

Volte para a panela e vá adicionando a farinha de trigo aos poucos, sem parar de mexer. Acrescente a manteiga sem sal, o azeite e mexa até que a massa solte da panela (como se fosse uma massa de coxinha). Espalhe a massa numa pedra ou em uma assadeira e deixe descansar por, pelo menos, duas horas. 

Refogue a cebola junto com a manteiga de garrafa e a carne-seca. Acerte o sal. Faça bolinhas com a massa de abóbora, amasse-as para formar um disco, recheie com carne e catupiry. Passe os bolinhos em farinha de rosca ou panko e congele-os por 90 minutos. Frite-os imersos em óleo quente.

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “GASTRONOMIA”

Comentários

Kamila Duarte de Jesus ou simplesmente Nêga, como é chamada pela família e pelos amigos, traz a paixão pelas panelas no DNA. Bisneta de Raimundo Cozinheiro - cozinheiro dos ingleses que vieram para Itabira junto com a Companhia Vale do Rio Doce -, aprendeu a cozinhar ainda criança quando usava um mini fogão a lenha para preparar guisados e batatas para suas bonecas. Formou-se em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário Newton Paiva por ouvir de todos que era muito criativa. A paixão pela gastronomia passou de brincadeira de criança a assunto de adulto e já atuando profissionalmente na área se formou em Cozinha Profissional pelo Senac – MG em 2014. Acredita que um bom prato de sopa até cura, que doce é um carinho na alma e que cozinhar é uma maneira de demonstrar amor ao próximo.