GASTRONOMIA: Os melhores do mundo

Na semana passada aconteceu a premiação dos 50 melhores restaurantes do mundo pela revista britânica Restaurant e pela primeira vez um restaurante italiano alcançou o topo. O restaurante Osteria Francescana, comandado pelo chef Massimo Botura, foi eleito o número um, sendo que já estava no topo nos últimos anos ocupando o terceiro lugar em 2013 e 2014 e o segundo lugar em 2015.

Massimo é um cozinheiro italiano tradicional, mas que usou de toda inovação para levar a outro patamar a cozinha italiana. Causou espanto aos críticos gastronômicos tradicionais e bateu muita panela para ser aceito com técnicas modernas e diferentes aplicadas ao tradicional e contemporâneo – deu outra vida às massas e sobremesas clássicas.

Além do Osteria, integram o pódio o El Celler de Can Roca, o Noma de René Redzepi, que já liderou a lista quatro vezes, e o Eleven Madison Park, restaurante em Nova York do suíço Daniel Humm. O Brasil aparece representado pelo D.O.M de Alex Atala, que caiu duas posições e ocupa o 11º lugar.

O Paladar do Estadão publicou uma matéria bem interessante sobre quanto custa comer em alguns dos restaurantes da lista e compartilho aqui com vocês, caso estejam interessados em fazer uma visita.

Para comer no número um da lista você desembolsa 180 euros (R$ 705) no menu de oito tempos (oito pratos em porções pequenas) ou 200 euros (R$ 784) no menu “Sensations” com pratos experimentais. Para conhecer o restaurante dos irmãos Roca, o El Celler de Can Roca, é preciso desembolsar 166 euros (cerca de R$ 646) para o menu degustação de 15 tempos e para se deliciar no Eleven Madison Park com um menu de 7 a 9 pratos você gasta 295 dólares (um pouco mais de mil reais).

E aí, vale o investimento?!

Para conferir a lista com todos os restaurantes, clique aqui.

LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “GASTRONOMIA”

Comentários

Kamila Duarte de Jesus ou simplesmente Nêga, como é chamada pela família e pelos amigos, traz a paixão pelas panelas no DNA. Bisneta de Raimundo Cozinheiro - cozinheiro dos ingleses que vieram para Itabira junto com a Companhia Vale do Rio Doce -, aprendeu a cozinhar ainda criança quando usava um mini fogão a lenha para preparar guisados e batatas para suas bonecas. Formou-se em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário Newton Paiva por ouvir de todos que era muito criativa. A paixão pela gastronomia passou de brincadeira de criança a assunto de adulto e já atuando profissionalmente na área se formou em Cozinha Profissional pelo Senac – MG em 2014. Acredita que um bom prato de sopa até cura, que doce é um carinho na alma e que cozinhar é uma maneira de demonstrar amor ao próximo.