GASTRONOMIA: O requinte da baixa gastronomia e o preparo da língua de boi

Muita gente torce o nariz quando mencionamos alimentos pouco utilizados no nosso dia-a dia. Fígado, rim, coração, língua, cérebro e outras vísceras não são vistos com bons olhos pela maioria das pessoas. Há um enorme preconceito quando se trata da baixa gastronomia, mas, o que poucos sabem, é que se bem preparados esses alimentos são deliciosos e ganham toques requintados.

Muitos chefes já incluíram essas iguarias em seus cardápios. O chef e açougueiro Jeferson Rueda, da Casa do Porco Bar, utiliza o porco por completo, por exemplo. Paola Carosella defende o uso de vísceras de galinhas e seus sabores incríveis.

Eu sou entusiasta da baixa gastronomia e defensora da utilização máxima dos insumos que nos são oferecidos. Um bom preparo, alguma técnica e temperos certos podem trazer requinte e sofisticação aos mais simples ingredientes.

Compartilho com vocês hoje uma receita de língua de boi ao molho de vinho tinto. Uma carne de baixo custo e com um sabor que vai te surpreender.

Língua ao molho de vinho tinto

06

Ingredientes

  • 1 língua de boi limpa e descascada;
  • 1 ramo de tomilho;
  • 1 cebola cortada em pétalas;
  • 2 dentes de alho picados;
  • 3 colheres de sopa de shoyu;
  • 3 colheres de sopa de molho inglês;
  • 1 colher de sopa de sal grosso;
  • 500 ml de caldo de legumes ou água;
  • 300 ml de vinho tinto seco.

Modo de preparo

Com tomilho, cebola, alho, shoyu, molho inglês e sal grosso faça uma marinada para a língua. Faça uns furos na carne para que o tempero entranhe bem. Deixa na marina por pelo menos oito horas.

Em uma panela de pressão aqueça um fio de azeite e sele a língua de todos os lados. Acrescente a marinada e o caldo de legumes (ou água). Tampe e deixe cozinhar por 30 minutos contando a partir do momento da pressão.

Desligue e deixe sair o ar. Retire a língua e deixe descansando (ela fica mais fácil de fatiar depois de fria). Coe o caldo que sobrou do cozimento, volte para uma panela e acrescente o vinho, deixe reduzir pela metade até encorpar. Sirva sobre a língua fatiada. Bom apetite!

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA GASTRONOMIA

Comentários

Kamila Duarte de Jesus ou simplesmente Nêga, como é chamada pela família e pelos amigos, traz a paixão pelas panelas no DNA. Bisneta de Raimundo Cozinheiro - cozinheiro dos ingleses que vieram para Itabira junto com a Companhia Vale do Rio Doce -, aprendeu a cozinhar ainda criança quando usava um mini fogão a lenha para preparar guisados e batatas para suas bonecas. Formou-se em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário Newton Paiva por ouvir de todos que era muito criativa. A paixão pela gastronomia passou de brincadeira de criança a assunto de adulto e já atuando profissionalmente na área se formou em Cozinha Profissional pelo Senac – MG em 2014. Acredita que um bom prato de sopa até cura, que doce é um carinho na alma e que cozinhar é uma maneira de demonstrar amor ao próximo.