GASTRONOMIA: #MARMITANDOCOMESTILO

O título do texto contém sarcasmo, humor e ironia. Não sei ao certo de onde surgiu essa hashtag, mas acho que vi pela primeira vez com os coleguinhas fitness que carregam suas tupperwares e me apeguei.

Me apeguei, pois, antes da moda das saladas em potes e dos congelados, eu já carregava minha marmita, sem glamour, nas vasilhas de Doriana e dentro das sacolas da Natura que deixavam o busão todo com cheiro de frango assado e macarrão ao alho e óleo.

Na época eu não tinha me atentado para pequenas dicas que hoje facilitam, e muito, a minha vida de marmiteira, agora refinada com bolsinha térmica e tupperwares coloridas da coleção do ano.

Piadas a parte, eu acho válido compartilhar com vocês as rotinas que são muitas vezes óbvias e simples, mas que facilitam a minha nada mole vida.

  • Frango e carne moída

Frango desfiado! O salvador das marmitas, junto com a carne moída.

Congele porções individuais de frango desfiado (temperado ou não) e de carne moída pré-pronta (congelo porções refogadas já com alho e cebola e, às vezes, colorau).

Frango desfiado e carne moída se transformam em molhos para massas e panquecas, agregam valor ao mexido nosso de cada dia, viram recheios para sanduiches, tapiocas e saladas. Uma maravilha!

  • Carne cozida

Pode ser acém, chã, patinho ou músculo… junte tudo com tomates, cebola, alho, caldo de carne e, voilà, várias porções de carne para salvar a sua marmita.

  • Almôndegas

As bolinhas de carne moída podem ser congeladas uma a uma ou em porções com molho, cozidas ou assadas. Também acompanham aquele spaghetti preguiçoso do fim da semana. Está animada(o)? Recheie as bolinhas e faça polpetas com bacon e queijo. A gordice não tem limites amigos!

  • Congele panquecas prontas e lasanhas

Para as panquecas, dê preferência a vasilhas que podem ir direto ao micro-ondas e, caso faça molhos a base de leite e creme de leite, não use amido de milho para engrossar o molho. Aposte na farinha de trigo, que dá menos água e fica bem mais gostoso.

A dica acima vale para lasanhas. Monte a sua lasanha preferida (NÃO!, não me deixe magoada e passe direto pelas “lasanhas” congeladas na parte dos resfriados no supermercado), separe as porções de acordo com sua fome e embale em vasilhas próprias para ir direto ao forno ou ao micro-ondas.

Gente, macarrão não é uma coisa muito legal de congelar não, mas dá pra fazer, Kamila? Dá, mas é tão rápido de cozinhar e tão mais gostoso fresquinho que a gente pula essa parte.

  • Saladas e frutas

Batata. Não congele batata. Próximo!

Pode guardar cozido e congelado pequenas porções de mandioca cozidas, ou até mesmo um caldo de mandioca com carne ou frango (aqueles lá de cima do texto).

Para as saladas escolha verduras e legumes de maior durabilidade, como, por exemplo, couve, acelga, almeirão e alface – folhosos limpos e bem secos em vasilhas bem fechadas  duram bem na geladeira –; cenoura, vagem, brócolis, abóbora moranga, beterraba, repolho (guarde picado em água com sal em uma vasilha fechadinha) são outros produtos que podem ser armazenados por mais dias na geladeira.

A dica da salada no pote, onde você deixa ela prontinha é muito boa, mas eu acho que se guardadas em vasilhas separadas os alimentos mantem cor, sabor e consistência por mais tempo. E a geladeira fica linda com todos os potinhos arrumados.

Você monta sua salada de acordo com o que você tem vontade e acaba variando mais nas combinações.

Outra dica: vasilhas transparentes e de vidro são a melhor opção. Você identifica com mais facilidade o que tem dentro de cada uma e o vidro permite uma higienização bem melhor.

As frutas são mais perecíveis, com algumas poucas exceções, por isso eu recomendo que sejam consumidas na hora sempre que possível ou façam polpa e congelem para sucos, vitaminas, geleias e afins.

  • Combinação tradicional

Você pode fazer o arroz e deixar pré-cozido na primeira água, guardar em uma vasilha de vidro bem fechada e ir utilizando ao longo da semana. Evite aquela coisa de todo dia por água para esquentar. Se quiser pode congelar, porém, não vejo necessidade. Se não usar colher suja e deixar bem guardadinho fica para a semana toda.

Guarde as porções de feijão prontas, cozidas e temperadas. Utilize de acordo com a sua necessidade.

Bom, é isso! São dicas simples e que muitos podem achar bobas, mas que facilitam muito minha rotina de comer fora de casa, sem contar que é mais saudável e mais barato.

Vamos todos #marmitarcomestilo e com qualidade.

Inté!
Beijo da Nêga!

Comentários

Kamila Duarte de Jesus ou simplesmente Nêga, como é chamada pela família e pelos amigos, traz a paixão pelas panelas no DNA. Bisneta de Raimundo Cozinheiro - cozinheiro dos ingleses que vieram para Itabira junto com a Companhia Vale do Rio Doce -, aprendeu a cozinhar ainda criança quando usava um mini fogão a lenha para preparar guisados e batatas para suas bonecas. Formou-se em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário Newton Paiva por ouvir de todos que era muito criativa. A paixão pela gastronomia passou de brincadeira de criança a assunto de adulto e já atuando profissionalmente na área se formou em Cozinha Profissional pelo Senac – MG em 2014. Acredita que um bom prato de sopa até cura, que doce é um carinho na alma e que cozinhar é uma maneira de demonstrar amor ao próximo.