GASTRONOMIA: Gastromotiva – gastronomia consciente

A Olimpíada Rio 2016 conta com um projeto super interessante, lançado em 2015 na Itália pelo melhor Chef do mundo, Massimo Bottura, o Refeittorio Gastromotiva. Inspirado no Refeittorio Ambrosiano, da Expo Milão 2015, o projeto visa aproveitar os excedentes dos refeitórios da Vila Olímpica e de um hipermercado. Produtos não processados e com prazo de validade próximo do fim estão sendo utilizados na preparação de refeições para a população carente. No almoço, o restaurante está aberto a todos e, à noite, apenas para os menos favorecidos e sem custo.

Bottura chegou ao Brasil para cozinhar ao lado dos maiores nomes da gastronomia: Alain Ducasse, Mauro Colagreco, Quique Dacosta, Renzo Garibaldi, Virgilio Martinez, Andoni Aduriz, Joan Roca, Micha Tsumura, Claude e Thomas Troisgros e os brasileiros Alex Atala, Roberta Sudbrack, Rafa Costa e Silva, Kátia e Bianca Barbosa, Jan Santos, Alberto Landgraf e Felipe Bronze. Transformando o que iria para o lixo em refeições bem elaboradas e com um toque de alta gastronomia, Bottura é o idealizador do Gastromotiva e, junto com David Hertz, repensa a gastronomia consciente, aproveitando ao máximo os alimentos e atentando para o desperdício de comida em um país onde há tantos passando fome. No Brasil, apenas 3% do lixo é reciclado e, de acordo com a ONU, se reduzirmos 1/3 do desperdício de alimento no mundo é possível resolver o problema da fome.

O restaurante está localizado no bairro da Lapa, em um espaço cedido pela prefeitura do Rio de Janeiro. Com cozinha aberta para o salão, o espaço conta com mesas coletivas e 108 lugares.

Após o evento, o restaurante continuará aberto com parcerias entre as organizações e mercados e sacolões.

SERVIÇO

Endereço: Rua da Lapa, Lapa, 108, Rio de Janeiro.
Site: http://www.gastromotiva.org/

LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “GASTRONOMIA”

Comentários

Kamila Duarte de Jesus ou simplesmente Nêga, como é chamada pela família e pelos amigos, traz a paixão pelas panelas no DNA. Bisneta de Raimundo Cozinheiro - cozinheiro dos ingleses que vieram para Itabira junto com a Companhia Vale do Rio Doce -, aprendeu a cozinhar ainda criança quando usava um mini fogão a lenha para preparar guisados e batatas para suas bonecas. Formou-se em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário Newton Paiva por ouvir de todos que era muito criativa. A paixão pela gastronomia passou de brincadeira de criança a assunto de adulto e já atuando profissionalmente na área se formou em Cozinha Profissional pelo Senac – MG em 2014. Acredita que um bom prato de sopa até cura, que doce é um carinho na alma e que cozinhar é uma maneira de demonstrar amor ao próximo.