GASTRONOMIA: Equipe bem treinada não é luxo, é lucro

A cozinha é uma miniempresa dentro de outra empresa. Oi, como assim?!

Eu explico! Dentro do restaurante, bistrô, botequim e PF existem uma cozinha e essa cozinha é um miniempresa que precisa de hierarquia, estrutura e direção, assim como qualquer outra empresa. Se não houver uma organização ela quebra, a casa cai meu povo! Não dá pra deixar ao Deus dará.

Tem que ter alguém para mandar, para organizar e para dar direcionamento. É chef, é o gerente? O nome não importa agora, o importante é que tenha e que haja um líder para dar apoio e estrutura aos cozinheiros, auxiliares e demais brigadistas.

Uma cozinha não funciona sem planejamento e, sem um cardápio pré-estabelecido, tudo fica jogado ao léu, sem preparação e sem foco. O que isso significa? Significa perdas de insumos, custos elevados para os donos, pressão desnecessária para com os funcionários e, assim, o rendimento cai e o custo sobe. O nome disso é PREJUÍZO.

É o que eu sempre digo: abrir um restaurante é muito fácil, mantê-lo com qualidade, custos aceitáveis e equipe preparada que é o difícil. Difícil fazer com que os donos enxerguem a importância de olhar com cuidado e carinho para a equipe da cozinha, difícil fazer com que os donos do dinheiro enxerguem a necessidade de manter sua equipe alinhada e bem treinada. É indispensável treinar sua equipe com frequência, atualizá-la com o que há de novo no mercado, dar a ela bons equipamentos e materiais de trabalho.

Não tomem como gasto um investimento necessário para sua equipe, pois quem sai perdendo é você. Para quem está na cozinha são apenas ordens a serem acatadas por quem paga o contracheque de todo mês.

Vamos mudar o pensamento e a maneira de enxergar quem corre todos os dias para que tudo saia como deve ser. Vamos valorizar quem está por trás do buffet colorido e saboroso. Eles são os responsáveis pelos seus lucros gordos no fim do ano.

Estrutura de cardápio, treinamento, capacitação, cuidado e boas condições de trabalho são o mínimo que a equipe da sua cozinha merece.

LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “GASTRONOMIA”

Comentários

Kamila Duarte de Jesus ou simplesmente Nêga, como é chamada pela família e pelos amigos, traz a paixão pelas panelas no DNA. Bisneta de Raimundo Cozinheiro - cozinheiro dos ingleses que vieram para Itabira junto com a Companhia Vale do Rio Doce -, aprendeu a cozinhar ainda criança quando usava um mini fogão a lenha para preparar guisados e batatas para suas bonecas. Formou-se em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário Newton Paiva por ouvir de todos que era muito criativa. A paixão pela gastronomia passou de brincadeira de criança a assunto de adulto e já atuando profissionalmente na área se formou em Cozinha Profissional pelo Senac – MG em 2014. Acredita que um bom prato de sopa até cura, que doce é um carinho na alma e que cozinhar é uma maneira de demonstrar amor ao próximo.