ESPORTES: Uma semana repleta de emoções

A semana foi repleta de emoções para os times mineiros. Cruzeiro e Atlético definiram, no meio de semana, os destinos na Copa do Brasil. O time celeste tinha uma missão muito difícil contra o Grêmio em Porto Alegre e não conseguiu reverter a vantagem dos gaúchos, sendo eliminado após um empate sem gols. Já o Galo parecia que teria uma partida tranquila contra o Internacional no Horto, mas o outro gigante do sul soube se impor, mesmo fora de casa, e ameaçou a vaga do Atlético até os últimos minutos.

O Cruzeiro até se esforçou para mudar sua história em 2016 e acabar o ano chegando à final de uma grande competição nacional. A situação ficou complicada quando o time, mais uma vez, jogou muito mal em casa e acabou saindo derrotado pelo Grêmio por 2 a 0. O resultado adverso no primeiro jogo obrigava o time mineiro a vencer na casa do adversário por, no mínimo, dois gols de diferença. A equipe se esforçou bastante no Sul, fez uma partida mais sólida do que a primeira, conseguiu criar algumas boas oportunidades e deu menos espaços para o ataque gremista. Entretanto, a melhora de uma partida para outra não foi suficiente para alcançar o resultado necessário e o clube da Toca acabou eliminado pelo Grêmio. Foi a primeira vez na história que o tricolor gaúcho conseguiu eliminar o Cruzeiro em um mata-mata.

Com a eliminação, as atenções celestes se voltaram para o Campeonato Brasileiro no jogo de domingo no Mineirão contra o Fluminense, quando tinha uma boa chance de afastar de vez o fantasma do rebaixamento – e o Cruzeiro aproveitou! Mesmo começando mal o jogo e saindo atrás no placar, o time azul não se desestabilizou e construiu uma grande vitória contra o tricolor carioca.

O Fluminense começou dominando muito o meio de campo e aproveitando os espaços, em especial pelo lado direito da defesa azul. Rafael Sóbis, que acompanhava na cobertura por aquele flanco e jogava mais recuado, após o gol fluminense passou a avançar mais e sua qualidade começou a resolver os problemas para o Cruzeiro. Foi dos pés de Sóbis que saiu o gol de empate e, ainda no primeiro tempo, o gol da virada cruzeirense com Willian do Bigode.

O começo do segundo tempo foi um furacão azul, o Cruzeiro voltou do intervalo em um ritmo alucinante e logo marcou dois gols, abrindo uma boa vantagem e construindo uma bela goleada. Arrascaeta e Alisson marcaram os outros dois gols que selaram a vitória e a permanência do Cruzeiro na Série A, onde sempre esteve. Passado mais um ano de susto, é hora de terminar a temporada com uma melhor pontuação e planejar um 2017 mais tranquilo e vitorioso – à altura do clube.

04
Com a vitória sobre o Fluminense, o Cruzeiro espantou de vez o fantasma do rebaixamento.

O Atlético, que montou um bom time para 2016, precisa de um título para coroar o trabalho da diretoria, que fez um alto investimento e não poupou esforços para contratar grandes nomes para o já recheado elenco alvinegro. O Galo se tornou finalista da Copa do Brasil no meio de semana, após empatar por 2 a 2 com Inter em casa. Como havia vencido o primeiro jogo no Beira Rio por 2 a 1, os mineiros se garantiram em mais uma importante decisão nacional e terão a chance de levantar o caneco da competição pela segunda vez em dois anos.

Apesar da classificação e da possibilidade real de mais um título de peso, os atleticanos não gostaram da atuação do time contra o Internacional. A falta de padrão de jogo se mostrou muito clara e a torcida parece que elegeu o seu vilão: o técnico Marcelo Oliveira. O treinador, que chega à sua quinta decisão de Copa do Brasil em seis anos, se tornando o recordista ao lado de Felipão e o primeiro a disputar a final por três anos consecutivos, já havia sido hostilizado pelo torcedor na última rodada do Brasileiro, no empate em 2 a 2 contra o Flamengo. Contra o Inter, apesar de o resultado ter garantido a vaga para a decisão, o atleticano não ficou satisfeito com o rendimento técnico do time em campo e começou a cobrar de forma mais veemente o treinador, que não conseguiu ainda dar padrão tático ao time e mostra sempre muita dificuldade em sair do seu usual 4-2-3-1.

Marcelo foi contratado para realizar o maior objetivo do Atlético no ano, vencer o Campeonato Brasileiro depois de 45 anos. Mas, infelizmente, para os atleticanos o sonho do bicampeonato brasileiro vai ter que esperar mais uma vez. O time jogou muito mal contra o Coritiba no Paraná e saiu derrotado por 2 a 0. A apatia do time em campo resultou numa cobrança mais pesada do presidente Daniel Nepomuceno, que após a partida cobrou dos jogadores e da comissão técnica uma postura mais aguerrida e comprometida com os objetivos da direção e condizentes com o alto investimento realizado.

Apesar de ainda haver chances matemáticas, o Galo deu praticamente adeus à possibilidade de título no Campeonato Brasileiro e agora o time deve focar suas atenções para as finais da Copa do Brasil. Atlético e Grêmio fazem em dois jogos uma final inédita, o time mineiro tentando o bicampeonato e o Grêmio lutando pela quinta taça, para se tornar o maior vencedor da competição de forma isolada, deixando o Cruzeiro com quatro conquistas.

05
O Atlético não mostrou o habitual bom futebol diante do Coritiba e acabou derrotado. O resultou deixou o sonho do título Brasileiro ainda mais distante.

Antes de os clubes mineiros voltarem a campo para os próximos compromissos, Belo Horizonte vai receber o grande jogo das Eliminatórias para a Copa na Rússia em 2018: Brasil e Argentina se enfrentam no Gigante da Pampulha com a presença de Lionel Messi e Neymar Jr. como estrelas principais da partida. Esta será a primeira vez que a seleção principal volta a jogar no Mineirão depois do fatídico 7 a 1 contra a Alemanha. A grande partida acontece no dia 10 deste mês, às 21h45. Uma vitória mantém o Brasil na ponta da tabela, já os argentinos precisam vencer para entrar no grupo das seleções que estariam classificadas para a próxima Copa do Mundo.

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “ESPORTES”

Comentários

Amante do futebol, skatista há mais de uma década, entusiasta de automobilismo e apreciador de esportes em geral. Acompanha os principais eventos esportivos nacionais e internacionais, muitos deles "in loco", para absorver melhor as emoções e repassa-las com maior riqueza de detalhes.