ESPORTES: Uma nova Libertadores

Nem a agitada rodada do Brasileirão, que se encaminha para sua fase final, rendeu tanto assunto quanto às mudanças já anunciadas pela Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) e as outras que poderão surgir.

A primeira, que agradou a muitos, foi o período de disputa da principal competição de futebol do continente, que se restringia apenas ao primeiro semestre, com a final em julho, e que agora se estende até o mês de novembro.

Com o período maior para a disputa, a Confederação decidiu aumentar o número de vagas oferecidas, inclusive para o Brasil, que agora terá, num primeiro momento, mais duas vagas, que serão oferecidas através do Campeonato Brasileiro que, ao invés de G-4, terá agora um G-6.

A grande crítica fica por conta de uma possível final em jogo único e em estádio previamente escolhido pela CONMEBOL. Uma possível cópia do que é sucesso na Europa, na disputa da Liga dos Campeões, não funcionaria aqui por muitas razões. O apelo da Liga é muito maior em todo o planeta, a facilidade de se locomover entre os países europeus, por diversas razões, também explica o sucesso do modelo no velho continente.  Ainda não foi decidida a forma de disputa da final, mas que os responsáveis não cometam o erro de fazer um “copiar e colar” sem levar em consideração a nossa realidade.

Com duas vagas a mais, o Atlético fica ainda mais perto de jogar sua 5ª Libertadores seguida, principalmente após vencer a Ponte Preta, por 2 a 1 em Campinas, num jogo que começou tranquilo e que poderia terminar sem maiores sustos. Mas o time mineiro perdeu muitas oportunidades de ampliar o placar quando já vencia por 2 a 0. Uma dessas chances perdidas foi incrível: o meia Cazares, após driblar o goleiro Aranha e com o gol livre, chutou para fora.

Beneficiado pelo empate do Flamengo no Morumbi com o São Paulo, o Galo viu a diferença cair de quatro para dois pontos para o 2º colocado e também para o líder Palmeiras, que joga nesta segunda-feira, 03 de outubro, fora de casa contra o Santa Cruz.

A rodada não foi boa apenas para o Atlético até então. Foi boa também para o Cruzeiro, que venceu o Grêmio e deixou a zona de rebaixamento. O time azul celeste não fez um grande jogo, mas fez o mais importante: somou os três pontos que eram imprescindíveis na luta para deixar as últimas posições.

O gol do volante Henrique no segundo tempo foi um alívio para os 16 mil presentes no Mineirão, que terão a oportunidade de apoiar o Cruzeiro novamente na próxima rodada em jogo contra a Ponte Preta.

O América encerra a rodada esta noite no Couto Pereira, frente ao Coritiba, às 21 horas. Se vencer o Coxa e o Santa Cruz perder para o Palmeiras, o Coelho vai deixar a lanterna depois de muito tempo.

LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “ESPORTES”

Comentários

Amante do futebol, skatista há mais de uma década, entusiasta de automobilismo e apreciador de esportes em geral. Acompanha os principais eventos esportivos nacionais e internacionais, muitos deles "in loco", para absorver melhor as emoções e repassa-las com maior riqueza de detalhes.