ESPORTES: Parabéns, Gaviões da Fiel!

Ir ao estádio em uma partida de futebol é algo surreal. Alguns não gostam, preferem a comodidade da poltrona com um belo tira-gosto ao lado da birita. Neles inclui-se meu pai. Motivo que me fez conhecer o quão bom é ir ao estádio em jogos do seu time de coração tardiamente. Toda primeira vez é marcante, a gente nunca esquece, seja no amor, no porre, na esbórnia etc. E no estádio não foi diferente. Graças a um cunhado eu tive minha primeira vez no Mineirão. Enfim, caso já tenha ido ao estádio de futebol, provavelmente saberá como é o barulho e energia das torcidas organizadas. Se as informações sobre as arquibancadas vêm de jornais convencionais, já se acostumou a marginalizá-las.

E que fique esclarecido: torcida é muito mais incompreensível do que se pensa. Não é como um bando de briguentos e, muito menos, santa. O importante é não rotulá-las pejorativamente como de costume e entender a importância que ela tem no espetáculo de um jogo. A menos que você goste de teatro, digo, futebol sem torcida, sem barulho e sem emoção.

Por isso, o protesto que a torcida do Corinthians realizou no clássico contra o São Paulo, há alguns dias, contra a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), a Federação Paulista de Futebol (FPF) e a Rede Globo, pode vir a ser um marco e, por isso, digna de atenção. “CBF e FPF, vergonha do futebol”, dizia a primeira faixa. “Futebol refém da Rede Globo” e “Ingresso mais barato” eram outras mensagens de protesto que apareceram na arquibancada. “Quem vai punir o ladrão da merenda?”, era a quarta faixa dos uniformizados alvinegros. O protesto é uma referência direta ao deputado Fernando Capez (PSDB/SP) que defende a extinção das uniformizadas. Também presidente da Assembleia de São Paulo e citado por delator como um beneficiário de pagamento de propina em contratos superfaturados da merenda escolar.

As reivindicações são muitas e, às vezes, confusas, embora a maioria delas deseje melhoria do futebol e das torcidas. O questionamento à Globo se dá pelos horários das transmissões no meio de semana, quando as partidas começam às 22h e acabam por volta da meia-noite. Nesse horário, muitos torcedores ficam sem ter como voltar para casa ou demoram horas para realizar o trajeto. Contra a Federação Paulista de Futebol o problema é em relação às proibições de sinalizadores, bandeiras e o valor dos ingressos – que, como popular, terá um singelo valor de 100 reais.

Os protestos colocam sob holofote questões pertinentes para quem frequenta o estádio e gosta do esporte, sem clubismo. Esse destaque também é um convite para que outras grandes torcidas se manifestem e questionem o caminho em que nosso futebol se encontra, podendo dar início a algo muito maior. Há muitos anos estamos afogados em corrupção e falcatruas e, até então, as arquibancadas estavam em silêncio. Espero que esse tempo tenha acabado.

Comentários

Lucas, Cabelo e até Lucão (juro!). Único filho homem em uma família com duas irmãs que, assim como todo brasileiro, também sonhava em ser jogador de futebol. Tão talentoso que do campo foi para o sofá e do sofá para o teclado. Hobbie? Bola. Seja redonda ou oval, grande ou pequena, com ou sem costura; a emoção é sempre a mesma!