ESPORTES: Morre uma lenda do futebol mundial

Antes de tudo preciso confessar que quaisquer palavras ditas por mim ou por qualquer outra pessoa não farão jus à importância que este homem teve e sempre terá.

Johan Cruyff morreu em Barcelona aos 68 anos depois de meses de luta contra o câncer. Nascido em Amsterdã em 25 de Abril de 74, o holandês revolucionou o futebol moderno pela primeira vez como jogador, especialmente na seleção holandesa e nos clubes que marcaram sua vida, Ajax e Barça, e depois como treinador conseguiu tornar sua lenda ainda maior. Reinventou o futebol, criou seu próprio estilo ofensivo de jogo. Era considerado a personificação do chamado “Futebol total”, onde todos os jogadores do time atacavam em bloco e defendiam em bloco sem guardar posições, com eficientes triangulações onde a bola era conduzida da defesa até o ataque apenas em curtos e rápidos toques de bola. Certamente é figurinha repetida nas listas dos melhores jogadores de todos os tempos da história futebolística.

Quando ele treinou a equipe catalã, a revolução veio à tona: jogando apenas por dois toques, privilegiando o coletivo sobre o individual (todos nós somos um só); com apenas três defensores (se está sempre com a bola não corre tanto perigo na defesa); com o goleiro jogando como líbero com os pés (temos um jogador a mais que o adversário) e, acima de tudo, ensinando que cada título é apenas um passo certo que dá sentido ao próximo jogo e torneio.

Comandou o considerado Dream Team de 88 a 94 do Barcelona que foi campeão pela primeira vez na Champions League em Wembley em 92, do qual não me canso de citar os 11, toda vez em que me recordo desse time base: Zubizarreta; Ferrer, Nadal, Ronald Koeman e Juan Carlos (Sergi); Amor (Eusébio Sacristán), Guardiola (Bakero) e Michael Laudrup; Begiristain (Salinas), Stoichkov e Romário. Técnico: Johan Cruyff. Meu deus, que time!

Amante do futebol vistoso, Cruyff não só foi um grande vencedor, mas um gênio dentro e fora de campo. Foi quem montou a base do Barcelona para se tornar a grande escola que é hoje, formando pessoas e atletas, mantendo a mesma filosofia de jogo que vai desde as equipes mais jovens até o time principal. Acreditava que não haveria melhor maneira de perpetuar essa ideia do que investir na formação dos jogadores, isto é, na categoria de base.

O camisa 14 foi o mais influente na história do futebol moderno. Exemplos como Barça de Guardiola e Luis Henrique, o Bayer de Heynckes, a Alemanha de Joaquim Low, a Espanha de Del Bosque. Todas elas possuem dívidas com Cruyff. Ele nos ensinou como o futebol deve ser. Sem ele, não haveria time dos sonhos, não haveria liga dos campeões de 2006 conquistada por Ronaldinho, não haveria a Era Guardiola que nada mais foi que um discípulo das ideias “cruyffianas”, nao haveria a base campeoníssima de Puyol, Xavi, Iniesta, Busquets e Messi. Ouso dizer que, sem ele, o futebol seria meio chato. Alías, não tem como pensar em futebol sem pensar em Cruyff.

Enfim, uma parte da história desse esporte tão apaixonante nos deixou. E que as lembranças, histórias, recordes e tudo que esse gênio fez, se tornem aplausos. Aplausos para o grande revolucionário do futebol moderno.

Mais Cruyffs e menos Dungas. Pronto falei!

Como todo grande pensador, algumas de suas frases nos marcaram e acho válido destacar algumas aqui:

  • “Prefiro ganhar de 4-3 do que de 1-0”.
  • “Jogar futebol é muito simples, mas jogar futebol simples é a coisa mais difícil que há”.
  • “Você joga futebol com sua cabeça, e suas pernas estão lá para te ajudar”.
  • “Jogue como se nunca pudesse cometer um erro, mas não se surpreenda quando o fizer”.
  • “Por que você não pode bater um clube mais rico? Eu nunca vi uma mala de dinheiro marcar um gol”.
  • “Se você tem a bola, o rival não pode te marcar”.
  • “Todos os treinadores falam sobre movimento, sobre correr muito. Eu digo que não é necessário correr tanto. O futebol é um jogo que se joga com o cérebro. Você deve estar no lugar certo no momento certo. Nem muito antes, nem muito depois”.
  • “Se o time adversário tem um jogador inteligente que se desmarca muito bem, sempre optamos pela solução mais fácil: que ninguém o marque. Assim, ele não se desmarcará”.
  • “Se o rival tem dois atacantes ótimos, um excelente e outro muito bom, o normal seria emparelhar nosso melhor marcador com o excelente e o defensor muito bom com o atacante muito bom. Mas não, nós não fazemos assim. O melhor marcará o menos bom deles. Será um problema a menos”.
  • “Eu acredito que todos deveriam ser capazes de jogar em todas as posições do campo. Por isso, é tão importante que todos escutem durante as orientações táticas. O ponta esquerda não pode dormir quando o treinador fala sobre o lateral-direito”.
  • “Para jogar bem, é preciso bom jogadores. Mas um bom jogador quase sempre tem o problema da falta de eficiência. Ele sempre quer fazer as coisas mais bonitas do que apenas o necessário”.
  • “Meus atacantes só devem correr 15 metros. A não ser que sejam estúpidos ou estejam dormindo”.
  • “A velocidade muitas vezes é confundida com antecipação. Quando começo a correr antes que outros, pareço mais rápido”.
  • “Todo mundo sabe jogar futebol se você deixar cinco metros de espaço”.
  • “Eu apenas me tornei um treinador quando me disseram que eu não poderia”.
  • “Eu acho terrível quando talentos são rejeitados com base em dados de computadores. Baseado nesse critério, eu teria sido rejeitado no Ajax. Quando eu tinha 15 anos, não podia chutar uma bola a 15 metros com minha perna esquerda e talvez 20 metros com minha perna direita. Minhas qualidades técnicas e visão não eram detectadas por um computador”.
  • “Mostramos ao mundo que você poderia aproveitar sendo um jogador. Você pode rir e ter um tempo fantástico. Eu represento a era que provou que o futebol atrativo era divertido e bem-sucedido, e uma boa diversão também”.
  • “Liverpool e Bayern de Munique são apenas nome e prestígio. Em termos de futebol, estamos falando sobre dois times horríveis. Na minha opinião, um time é horrível se é incapaz de dar três passes juntos (sobre os campeões da Champions League e da Copa da Uefa, em 2001)”.
  • “Infelizmente, eles jogaram muito sujo. Este estilo de futebol feio, vulgar, duro, hermético, difícil de ver… Se com isto eles se satisfazem, ok, mas eles perderam (sobre o time da Holanda vice-campeão mundial em 2010)”.
  • “O melhor jogador que eu cheguei a treinar? Tem que ser o Romário. Você poderia esperar qualquer coisa dele em campo. A técnica dele era algo extraordinário. Ele marcava gols de todas as maneiras possíveis, com as duas pernas”.
  • “Rivaldo é um dos poucos da atualidade que dão prazer de ver jogar. Ele tem o talento sul-americano e o profissionalismo europeu”.

Títulos como jogador:

Ajax – 1964-1973:

  • Campeão da Liga Holandesa: 1965-66, 1966-67, 1967-68, 1969-70, 1971-72, 1972-73, 1981-82 e 1982-83
  • Campeão da Copa da Holanda: 1966-67, 1969-70, 1970-71 e 1982-83
  • Campeão da Copa da Europa: 1970-71, 1971-72 e 1972-73 e vice 1968-1969
  • Campeão da Copa Intercontinental: 1972
  • Campeão da Supercopa da Europa 1972

Barcelona – 1973-1978:

  • Campeão da Liga Espanhola: 1973-74
  • Campeão da Copa da Espanha: 1977-78

Feyenoord – 1983-1984:

  • Campeão da Liga Holandesa: 1983-84
  • Campeão da Copa da Holanda: 1983-84

Títulos com a seleção Holandesa:

  • Vice da Copa do Mundo de Futebol em 1974 e terceiro na Eurocopa 1976

Recordes individuais:

  • Bola de ouro 1971, 1973 e 1974, e bronze em 1975
  • Eleito melhor jogador europeu do século XX
  • Melhor jogador dos países baixos em 1968, 1972 e 1984
  • Eleito segundo melhor jogador do século XX

Títulos como treinador:

Ajax – 1985-1988:

  • Campeão da Copa da Holanda: 1985-86 e 1986-87
  • Campeão da Recopa da Europa: 1986-87

Barcelona – 1988-1996:

  • Campeão da Liga Espanhola: 1990-91, 1991-92, 1992-93 e 1993-94
  • Campeão da Copa da Espanha: 1989-90
  • Campeão da Supercopa da Espanha: 1991, 1992 e 1994
  • Campeão da Copa da Europa 1991-92 e vice 1993-94
  • Campeão da Recopa: 1988-89 e vice em 1991-92
  • Campeão da Supercopa da Europa: 1992
  • Vice da Copa Intercontinental 1992
Comentários

Lucas, Cabelo e até Lucão (juro!). Único filho homem em uma família com duas irmãs que, assim como todo brasileiro, também sonhava em ser jogador de futebol. Tão talentoso que do campo foi para o sofá e do sofá para o teclado. Hobbie? Bola. Seja redonda ou oval, grande ou pequena, com ou sem costura; a emoção é sempre a mesma!