ESPORTES: Elas dominam: lugar de mulher é no campo, nas pistas, piscinas e quadras

Nem Lionel Messi, tão pouco Cristiano Ronaldo. As estrelas que brilham em Barcelona e Real Madrid, respectivamente, têm duelado por anos nas premiações internacionais e nas mesas de bares na infinita discussão sobre qual dos dois é o melhor jogador desta geração. Entretanto, os números são claros e indiscutíveis: a atleta brasileira Marta é, sem dúvidas, a estrela que mais brilha no esporte mais amado do planeta.

Nossa craque de bola já foi indicada ao prêmio máximo do futebol por doze vezes e já venceu por cinco consecutivas, entre 2006 e 2010. Marta é referência do esporte no Brasil, mas não está sozinha no quesito protagonismo de saias. As mulheres brasileiras escreveram e escrevem páginas das mais importantes do esporte nacional com chuteiras, luvas e muita, muita força.

Impossível pensar na importância das mulheres no esporte nacional sem citar as nossas feras do basquete. Hortência e Magic Paula fizeram parte da geração de ouro de nosso basquete e foram ao lado de Oscar, sem dúvida, os maiores nomes do esporte no Brasil em todos os tempos. As meninas que venceram o Mundial da Austrália, em 1994, elevaram o basquete do Brasil para outro nível, popularizando o esporte no país.

Outro esporte nacional de grande importância que deve muito às nossas atletas é o voleibol. Quantos de nós não vivemos as emoções e as provocações entre brasileiras e cubanas durante muitos anos nas quadras? No voleibol, certamente, temos nossa maior força em esporte coletivo feminino. O Brasil passou a ser respeitado internacionalmente na modalidade pelos feitos dos garotos de ouro em 1992, mas as meninas nas quadras e nas praias trouxeram medalhas de todas as cores em diversos Jogos Olímpicos e muitas jogadoras se tornaram heroínas nacionais, como Ana Moser e a queridinha do Brasil Leila Barros.

Não nos esqueçamos de Maria Esther Bueno, que entre as décadas de 1950 e 1970 ganhou dezenove torneios de Grand Slam. A Federação Internacional de Tênis a considera a número 1 do mundo no ano de 1959 e o International Tennis Hall of Fame a coloca no topo da lista das melhores do mundo em 1964. Por fim, foi a primeira mulher a ganhar os quatro Grand Slams jogando em duplas em um mesmo ano.

Uma menção honrosa e necessária à maior nadadora brasileira de todos os tempos: Maria Lenk, que introduziu muitos conceitos da natação no país e é, sem dúvida, uma lenda do esporte internacional. Além dela, uma homenagem à todas as atletas profissionais ou amadoras de nosso país. Um beijo em agradecimento para Maurren Maggi pelas alegrias ofertadas a nosso povo, um sorriso sincero a Amanda Nunes, nossa rainha do UFC, e as palmas que a história jamais cessará à nossa Rafaela Silva, pelo primeiro ouro nos primeiros Jogos Olímpicos realizados em nossa Terra.

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “ESPORTES”

Comentários

Amante do futebol, skatista há mais de uma década, entusiasta de automobilismo e apreciador de esportes em geral. Acompanha os principais eventos esportivos nacionais e internacionais, muitos deles "in loco", para absorver melhor as emoções e repassa-las com maior riqueza de detalhes.