ESPORTES: Assédio chinês

Para o desespero de alguns torcedores a janela de transferência do futebol chinês só irá fechar dia 27 de fevereiro. Digo isto baseado na recorrente partida dos brasileiros rumo ao mercado oriental.

Exemplo disso é o campeão brasileiro Corinthians, que vem sofrendo um desmanche em seu elenco, sendo a China o destino mais comum entre os atletas.

É também verdade que diante de tanto dinheiro oferecido pelos chineses, fica difícil segurar os atletas; entretanto, difícil não é impossível e ainda sem ter tanto prestígio quanto ao dinheiro, a glória também é bastante ansiada na curta carreira futebolística. Sim, apesar de serem constantemente contemplados nos estádios com cânticos de mercenário, a conquista tem grande valor para essa singular profissão. Um exemplo disso é a ida de vários jogadores para países de pouca expressão no futebol europeu devido exclusivamente à oportunidade de disputar as grandes competições e, para isso, em alguns casos, optam por um clube de pouca expressão e difícil adaptação, como acontece com Rússia ou Ucrânia, mesmo podendo ganhar mais dinheiro em mercados alternativos como Ásia e América.

Não quero dizer que a vontade de fazer história seja maior que a financeira, quero apenas convencê-los de que ela exista. Por isso eu digo que já é difícil combater a ganância financeira e, junto à falta de interesse que a CBF demonstra em promover o campeonato (melhor exposição, divulgação, calendário favorável, arbitragem qualificada e muitas outras coisas que ainda precisam ser melhoradas), o que já é difícil se torna impossível.

Por isso eu reitero que sem uma promoção da liga, uma maior exposição, melhor divulgação, calendário adequado, profissionalização da arbitragem e tudo o que faça melhorar a imagem do campeonato, se tornará ainda mais difícil convencer qualquer um a continuar em nosso país.

Comentários

Lucas, Cabelo e até Lucão (juro!). Único filho homem em uma família com duas irmãs que, assim como todo brasileiro, também sonhava em ser jogador de futebol. Tão talentoso que do campo foi para o sofá e do sofá para o teclado. Hobbie? Bola. Seja redonda ou oval, grande ou pequena, com ou sem costura; a emoção é sempre a mesma!