ESPORTES: Análise sobre os bastidores da política nos clubes de futebol

Na madrugada do último dia 8 de novembro de 2017, uma quarta-feira, o Vasco da Gama, tradicional clube do cenário brasileiro, finalizava em São Januário, na Zona Norte do Rio de Janeiro, a contagem dos votos da eleição para presidente do Gigante da Colina.  As últimas disputas presidenciais no Vasco tem sido um retrato do futebol, da política e dos bastidores do poder no Brasil.

A figura de Eurico Miranda, sua maneira de se vestir, de falar e seu famoso charuto montaram um personagem quase caricato de um verdadeiro gângster hollywoodiano. Em seu último pleito presidencial, anterior a esse, houveram  até registros de votos a seu favor, realizados com cadastro de pessoas já falecidas.  Na eleição desta semana, outras “coisas estranhas” voltaram a acontecer, Eurico venceu, mas ainda não levou, como era de se esperar, a decisão final será na justiça.

Seu clube, seja ele qual for, começa a vencer e a perder muito antes do apito inicial do árbitro. As artimanhas e os conchaves, especialmente em ano eleitoral, transformam os clubes em verdadeiros canais de trocas e promessas, de vantagens financeiras e não raro de crimes.

O torcedor celeste se agitou nos últimos meses com a eleição do Cruzeiro, os bastidores foram quentes, conselheiros que pareciam apoiar um candidato na verdade apoiavam outro. Quem está de fora ainda tenta entender o que foi tramado nas caladas da noite no Barro Preto, algumas decisões contraditórias já começaram a acontecer antes mesmo da posse do novo Presidente Azul e dão norte para a compreensão de quais foram as motivações de apoio e votos na Raposa.

O Galo também está com a situação política pautada em sua primeira página. Há poucas semanas da eleição que definirá o novo presidente, o clima em Lourdes é de aparente tranquilidade e coesão no conselho do clube. Havendo a possibilidade de uma eleição quase protocolar, com candidato único. Sérgio Sette Câmara deverá substituir Daniel Nepomuceno na cadeira mais importante do Atlético. Entretanto, mesmo em um clube que parece navegar em águas mais tranquilas nos bastidores, a sempre procura por espaço e poder em alguns. Assim foi no próprio Atlético, nos últimos meses, quando o assunto era a construção do novo estádio do Galo. Troca de farpas e acusações começaram a surgir entre opositores da atual diretoria, a tempestade passou.

Cada vez mais os torcedores tem se interessado pela política de seus clubes, após ficar claro, que assim como na política tradicional, as figuras que comandam podem engrandecer ou destruir quem ou o que elas representam.

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “ESPORTES”

Comentários

Amante do futebol, skatista há mais de uma década, entusiasta de automobilismo e apreciador de esportes em geral. Acompanha os principais eventos esportivos nacionais e internacionais, muitos deles "in loco", para absorver melhor as emoções e repassa-las com maior riqueza de detalhes.