COTIDIANO: Você, sua vida e mais ninguém

Numa sociedade onde todo mundo se sente no direito de invadir a privacidade alheia, ter controle da própria vida é algo raro. As pessoas nunca tiveram suas vidas tão devassadas como nos dias atuais. Redes sociais e aplicativos de relacionamento viraram ferramentas indispensáveis para o convívio humano. E a necessidade de alta exposição pessoal também.

Mas se você é como eu, acredito que se sente profundamente incomodado com esse movimento social estranho.

Do nada, todo mundo começou a se interessar pela sua vida e por seus assuntos particulares como se eles fossem um patrimônio público. Peraí, colega! Não é porque você passa o dia inteiro dando satisfação de si mesmo que eu também tenha que fazer o mesmo.

Se tem gente por aí confortável com a divulgação de suas intimidades, okay! Mas não sou dessas.

Há uma linha muito tênue entre compartilhar gostos e preferências, e expor sentimentos profundos, situações complexas e problemas mal resolvidos. Há quem ultrapasse esse limite sem perceber. Há quem o faça com total segurança do ato. E há quem definitivamente quer se manter fora desse padrão.

A vida em sociedade não é fácil. Todo mundo se sente no direito de cobrar comportamentos uns dos outros. E esquece-se dos seus próprios comportamentos. A gente não pode perder de vista pontos importantes aqui: seus colegas de trabalho não pagam suas contas, seus vizinhos não criam seus filhos, seus amigos não vão resolver seus problemas.

Passamos por um momento de intensa discussão sobre a quebra de tabus, o crescimento de movimentos sociais importantes e a busca por novas formas de interação indispensáveis para a evolução humana. A superação de preconceitos, a revisão de pontos de vistas e a expansão de ideias nos colocam na rota de novas formas de pensar a sociedade em que vivemos.

Para que essa evolução aconteça e sejamos seres humanos melhores, precisamos romper com os antigos hábitos, passados de geração em geração, que tenham qualquer ligação com se preocupar mais com a vida alheia do que com a própria.

Defendo o seguinte comportamento: preocupe-se com você e sua vida, dê apoio a quem lhe pedir por ele, intrometa-se apenas no que for chamado, divida amor e compreensão, coloque-se no lugar do outro, cultive o respeito e seja feliz!

LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “COTIDIANO”

Comentários

Tatiana Linhares. Muitas. Jornalista. Mineira. Tatuada. Outono e primavera. Pão de queijo. Livros. Música. Revistas. Cinema. Teatro. Futebol. Cruzeiro. Viagens de carro. Areia e mar. Esmalte colorido. Cerveja gelada. Família grande. Incontáveis amores. Paixonites agudas. Saudade. Simplicidade. Palavras