COTIDIANO: Vamos falar sobre amar

Isso aí mesmo! Vamos direto ao assunto que todo mundo adora! O tal do amor… esse sentimento insuportável que povoa imaginários, confunde relações, deixa meio mundo louco de alegria e a outra metade deprimindo de tristeza. Ô sentimentozinho cruel, né?!

Ou o problema tá com a gente? Porque é só um sentimento, uai! Como ele pode ser o único responsável pela alegria ou tristeza eterna de alguém? Ou geral tá colocando no amor a culpa de suas decepções ou dando a ele as glórias de suas realizações? Para mim, nem um e nem outro fazem sentido.

Vamos deixar claro aqui: amor não é uma pessoa a quem se atribui culpa ou alegria ou decepção ou satisfação. É um sentimento, gente! Que é nutrido e alimentado por você. Se algo saiu errado foi com a forma como você SENTIU o amor… a gente tem que parar de ser evasivo e safo. Vamos assumir os nossos problemas com sentimentos e seguir em frente.

Eu não sou um ser iluminado que sabe lidar com meus próprios sentimentos não! Pelo contrário. Sou um trator sentimental que sai atropelando tudo com as minhas emoções e me jogando de cabeça no meio da piscina mais funda que eu acho no meu caminho. E tô sendo o mais honesta que consigo aqui.

Amo mesmo! Amo muito! Amo demais! Me jogo nas minhas relações sem medo de ser feliz. E, às vezes, não sou. Nem um pouco feliz. Perdi as contas de quantas vezes terminou mal. De quantas vezes não deu certo. De quantas vezes doeu. Mas tô aí, né?! Capacitada até pra dar conselhos!

A questão aqui não é a quantidade de amor que você tem pra dar, mas como você está lidando com esse amor. Porque é como dizem: se você não se amar antes, não dá pra amar mais ninguém. Nem amigo, nem pais, nem irmãos, nem filhos, nem aquele carinha que te chama insistentemente para ir ao cinema, nem seu marido que passa o domingo deitado, nem sua namorada que corre no sábado às seis da matina.

Se você não sentir um amor profundo por essa pessoa que te encara no espelho diariamente, meu amigo, vai ficar bem difícil amar qualquer outra coisa nessa vida. E amar é saber que as pessoas são pacotes completos. Tem de tudo: qualidade, defeito, ronco, bafinho de manhã, falta de banho no frio, unha encravada, buquê de flores, café da manhã na cama, pedido romântico de casamento, preguiça de sair, ressaca, encontros entediados de família e lá se vai uma lista sem fim. E isso inclui você com o seu pacote completo.

Eu, por exemplo, tenho total consciência do quanto sou insuportável pelas manhãs. Sou um ser mal humorado quando acordo. Não quero que ninguém me ame acordando, porque até eu me odeio nessas condições. Mas é parte do que eu sou e a primeira a admitir isso tem que ser eu, né?!

Então, quando sair por aí amando todo mundo, não se deixe para trás! Tira um pouco desse amorzão todo para você e vai ser feliz!

Comentários

Tatiana Linhares. Muitas. Jornalista. Mineira. Tatuada. Outono e primavera. Pão de queijo. Livros. Música. Revistas. Cinema. Teatro. Futebol. Cruzeiro. Viagens de carro. Areia e mar. Esmalte colorido. Cerveja gelada. Família grande. Incontáveis amores. Paixonites agudas. Saudade. Simplicidade. Palavras