COTIDIANO: Oi, vamos teclar?

Boa tarde para você que não conseguiu desejar “bom dia” para os seus amigos, nem enviar memes sobre “Fabíolas”, muito menos informar a morte de mais alguém na sua cidade e ficará impossibilitado de compartilhar cultura inútil via WhatsApp até sábado. Imagino a tortura que não deve ser… para você! Porque pra muita gente, como eu, o bloqueio do aplicativo tem lá as suas inegáveis vantagens!

Vamos lá, para evitar o “mimimi” e meu linchamento público, estou sendo irônica! Óbvio que me senti lesada. Não estou sendo investigada e não acho que a justiça agiu de maneira correta. Muita gente está sendo prejudicada pela proibição do uso do aplicativo. Não é o meu caso, devo confessar. Ele, na minha rotina diária, nada mais é do que o facilitador nas comunicações. E assim como ele, muitos outros cumprem esse papel tranquilamente.

E, por mais incrível que isso possa parecer, a simples ação da justiça de impedir que milhões de pessoas usem livremente o que bem entenderem, causou maior furdunço e repercussão do que as manifestações de domingo a favor do impeachment presidencial (sic!) nas principais capitais brasileiras. Não duvido nada que esse povo brasileiro, engajado e sabedor de seus direitos, bata panela e ganhe as ruas a bordo de trios elétricos, enchendo patos infláveis gigantes em prol do retorno do WhatsApp. Ops, fui irônica outra vez! Vou evitar…

Vamos ser honesto, pra cada juiz que bloqueia aplicativos gratuitos por 48 horas existem incontáveis brasileiros para descobrir como desbloquear, usar, liberar, burlar e não ficar sem. Nem precisa ser muito “antenado” para saber que, antes mesmo do bloqueio valer, já tinha gente sabendo como não ficar sem.

Agora que a “justiça” valeu-se da autoridade para incitar uma população inteira contra si mesma, questiono-me: se os responsáveis pelo aplicativo não quiseram colaborar com uma investigação, não deveriam ser eles os punidos? Será que a ingenuidade desse juiz é tamanha que achou que a população ia se revoltar com os responsáveis pelo app mais amado do Brasil e não com ele? Não colaborar com uma investigação tão séria a ponto de bloquear o “zapzap” não seria obstrução da justiça? Os juízes de São Bernardo do Campo não têm vida social online? Muitas perguntas sem resposta e muita gente enchendo meu Facebook de mensagem.

Já que você está com seu direito de uso suspenso temporariamente, aproveita para levantar a cabeça e parar de olhar para o celular. Para de procurar paliativo para sua “dor” de não receber um “bom dia” coletivo e dê um “bom dia” real aos coleguinhas de trabalho. Chama os amigos para sentarem num boteco para discutirem esse abuso da justiça paulista sem usar um meme ou uma abreviação esdrúxula qualquer. Aproveita para se desligar da sua “vida” online e vá viver de verdade, experimentando a maravilhosa sensação de uma interação que envolve toque e encontrar pessoalmente.

Como bem disse uma das minhas irmãs, “quanto ao bloqueio, eu tô de boa. Só vamos ter problemas no dia em que bloquearem a cerveja. Aí a p…a fica séria!”

Comentários

Tatiana Linhares. Muitas. Jornalista. Mineira. Tatuada. Outono e primavera. Pão de queijo. Livros. Música. Revistas. Cinema. Teatro. Futebol. Cruzeiro. Viagens de carro. Areia e mar. Esmalte colorido. Cerveja gelada. Família grande. Incontáveis amores. Paixonites agudas. Saudade. Simplicidade. Palavras