COTIDIANO: O peso das palavras

Quando você passa metade da sua vida envolvida com palavras, literalmente, elas começam a ocupar um espaço importante na sua vida. Escolhi o jornalismo como profissão e, graças a isso, as palavras tem sobre mim um poder indescritível.

Muitos escritores, ao longo de séculos, manifestaram essa mesma impressão. O quanto as palavras podem ser enaltecedoras e destruidoras! Como elas podem fazer de uma pessoa a mais feliz do planeta ou a mais triste.

Confesso que, conscientemente, me controlo muito no uso das palavras. O que falo e o que escrevo para as pessoas, muitas vezes, é calculado. Sei como uma palavra mal colocada e um tom mal usado podem soar profundamente ofensivos.

Não vou lembrar, mas alguém já disse que uma palavra, depois de dita, não tem retorno.

Não tem mesmo! Experiência própria. Já tive que digerir muita ofensa, algumas delas feitas equivocadamente.

Quando algo que uma pessoa importante te diz te atinge em cheio, estando a pessoa certa ou não, é difícil esquecer. Muitas vezes se transforma em mágoa. Em tristeza. Em melancolia.

Ao mesmo tempo, quando o que lhe é dito causa uma feliz surpresa, aquilo vira uma lição de vida. Coisa que nunca se esquece. Que sempre irá repetir para si mesmo.

Portanto, para não falar mais do que devo, encerro por aqui pedindo a gentileza de cuidarem dos seus e lhes dizendo nada mais do que o necessário!

LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “COTIDIANO”

Comentários

Tatiana Linhares. Muitas. Jornalista. Mineira. Tatuada. Outono e primavera. Pão de queijo. Livros. Música. Revistas. Cinema. Teatro. Futebol. Cruzeiro. Viagens de carro. Areia e mar. Esmalte colorido. Cerveja gelada. Família grande. Incontáveis amores. Paixonites agudas. Saudade. Simplicidade. Palavras