COTIDIANO: O medo nosso de cada dia

“Cês” tão ligados na onda de palhaços sinistro que está se alastrando mundo afora? Tem um povo que, sabe-se lá porque, se veste de palhaço com máscaras cabulosas, roupas esfarrapas e maquiagens tenebrosas. Assim paramentado, o ser abençoado incorpora uma postura assustadora, sai pela rua, escolhe um lugar estratégico e fica parado (vai saber por quanto tempo) esperando até uma alma viva avistá-lo com o único intuito de assustar o desavisado.

Fala sério! Mentes insanas, programas para o mal! E se o desavisado é uma pessoa tipo eu: com um certo receio de palhaços? Pense num ataque cardíaco…

Acontece que o gênio que lançou a ideia parece ser idolatrado porque tem um bando de gente retarda reproduzindo a modinha por aí! E trem vai virando um pandemônio. Todas as principais redes de notícias do mundo noticiam diariamente o aparecimento dos tais “palhaços macabros”, como eles os apelidaram. Tem zilhões deles nos EUA, nos países da Europa e, claro, no Brasil!

Tá virando caso de polícia! São incontáveis os casos de gente presa por todo tipo de reação em relação aos palhaços: gente fantasiada ameaçando outras pessoas; gente assustada denunciando os fantasiados; gente que usa a fantasia para cometer pequenos crimes, como furto; palhaço correndo atrás de pessoas; pessoas correndo atrás de palhaços. Enfim, esse povo que tá curtindo a onda e entrando na moda de se vestir de “palhaço macabro” está despertando reações que podem gerar problemas sérios. Porque tem doido para tudo nesse mundo!

Alguém lembra aí do psicopata norte-americano que se vestia de palhaço para atrair crianças e adolescente, os estuprava e depois matava? Então pesquisa aí e fique por dentro da terrível história do Jhon Wayne Gacy. Acho até que está aí a fonte do meu “receio” quanto a palhaços!

Mas a questão em relação à essa nova onda aí é: as pessoas não sabem separar as coisas. Pode até ser diversão para quem se veste desse personagem que já pode ser considerado uma lenda urbana, mas muita gente se sente apavorado quando se defronta com um desses numa esquina qualquer.

LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “COTIDIANO”

Comentários

Tatiana Linhares. Muitas. Jornalista. Mineira. Tatuada. Outono e primavera. Pão de queijo. Livros. Música. Revistas. Cinema. Teatro. Futebol. Cruzeiro. Viagens de carro. Areia e mar. Esmalte colorido. Cerveja gelada. Família grande. Incontáveis amores. Paixonites agudas. Saudade. Simplicidade. Palavras