COMUNICAÇÃO E MARKETING: Facebook anuncia medidas mais rigorosas contra títulos caça-cliques

O feedback que os internautas têm dado sobre as suas experiências com o Facebook continua rendendo novas atualizações no algoritmo da plataforma. Desde junho a rede social começou a priorizar as postagens feitas por amigos e familiares dos usuários, o que impacta diretamente o alcance das fanpages. Agora, as mudanças estão relacionadas aos títulos click-baits, que por aqui são “carinhosamente” chamados de caça-cliques.

A construção desses títulos busca gerar curiosidade no leitor, que se vê obrigado a clicar no link para entender a mensagem que aquela chamada pretende passar. Essa estratégia tem como objetivo aumentar o tráfego de um site por meio de publicações no Facebook. Geralmente esse trabalho dá resultado, mas há algum tempo a equipe do Facebook vem declarando que esse tipo de publicação não contribui para que o usuário tenha boa experiência dentro da plataforma.

E, convenhamos, quem nunca passou raiva com os títulos caça-cliques? Certamente você, leitor, ao navegar pelo seu feed de notícias se deparou com alguma chamada que despertou sua curiosidade e, ao clicar no link, encontrou um conteúdo que não correspondia às expectativas geradas pelo título. Mais do que frustrante, essa situação incomoda os leitores.

O Facebook tem como política entregar a melhor experiência para os seus usuários, conforme ressalta em um artigo explicando as mudanças no seu algoritmo em relação aos títulos caça-cliques. No texto, assinado por Alex Peyskhovich, cientista de pesquisa, e Kristin Hendrix, pesquisadora de experiência do usuário, a rede social afirma que o “objetivo com News Feed é mostrar às pessoas as histórias mais relevantes para elas – ranquear histórias de modo que o que é mais importante para cada pessoa apareça no alto de seus feeds de notícias”.

O que não acontece com as publicações que possuem títulos caça-cliques, pois, segundo a avaliação do Facebook, essas postagens omitem intencionalmente informações importantes para o entendimento da mensagem ou enganam as pessoas para que elas cliquem no link para obter alguma resposta. E, para piorar, em muitos casos o conteúdo nem oferece uma resposta ao leitor.

A plataforma vem tentando combater essa estratégia desde 2014, quando reduziu a distribuição dos posts nas quais as pessoas clicavam e, logo em seguida, retornavam para a rede social. Ao se deparar com essa situação, o algoritmo do Facebook entendia que o conteúdo não superou as expectativas da pessoa ou a enganou para clicar no link. Apesar dessa nova política, as manchetes caça-clique continuaram a se espalhar pelas timelines e as reclamações dos usuários não diminuíram.

Agora, dois anos depois da primeira medida, o algoritmo da plataforma foi aperfeiçoado para identificar frases que são comuns nesses títulos caça-cliques. Ao identificar as postagens que seguem essa linha, a rede social também irá identificar as fanpages que utilizam com frequência essa estratégia – e, como consequência, elas terão o seu alcance orgânico reduzido. Uma ação similar aos filtros de spam.

Portanto, se você utiliza os títulos caça-cliques em suas estratégias de redes sociais, está na hora de atentar para as boas práticas de publicação. Talvez seja a hora de investir mais na qualidade do conteúdo que está gerando e, claro, utilizar títulos e chamadas que informem, correspondam às expectativas e que sejam claros e precisos.

origami

LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “COMUNICAÇÃO E MARKETING”

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.