CINEMA: “Ventos de Agosto” e “O Último Cine Drive-In” são os ganhadores do prêmio Netflix

Durante o mês de setembro a plataforma de streaming Netflix promoveu a segunda edição do “Prêmio Netflix”, que tem como objetivo fortalecer a projeção mundial do cinema nacional. Ao todo dez produções participaram da disputa – confira aqui –, mas “Ventos de Agosto”, do diretor Gabriel Mascaro, e “O Último Cine Drive-In”, do diretor Iberê Carvalho, acabaram saindo vitoriosos.

A premissa do “Prêmio Netflix” é bastante louvável. O cinema brasileiro é rico em diversas formas, porém, poucas produções ganham projeção, seja ela nacional ou internacional, e acaba não chegando para o grande público. Muito disso acontece por se tratar de trabalhos independentes, de baixo orçamento, com recursos limitados para marketing e pouca disposição das salas de cinema em exibir essas histórias.

Dessa forma, a Netflix decidiu escolher algumas produções independentes nacionais para colocar em seu catálogo global – aumentando a projeção de filmes que dificilmente teriam esse espaço. Porém, essa escolha não é arbitrária e, por meio do “Prêmio Netflix”, permite que o público e um time de jurados técnicos escolham dois filmes entre dez produções pré-selecionadas pela equipe da plataforma de streaming.

“Ventos de Agosto” acabou vencendo pela votação do júri técnico, que foi formado pelos atores Alice Braga e Fabrício Boliveira, pelos diretores Cesar Charlone e Fernando Andrade, a cineasta Adriana Dutra e os youtubers Hugo Gloss e Lully de Verdade. O longa, lançado em 2014, é um mistura narrativa que conta a história de Shirley (Dandara de Moraes) e Jeison (Geová Manoel dos Santos), casal de catadores de cocos que vive em uma cidade litorânea em Pernambuco e vê a sua vida mudar quando um pesquisador chegar ao local para registrar os ventos alísios.

Já “O Último Cine Drive-In” foi o filme que mais agradou o público – ao todo foram 35 mil votos populares no “Prêmio Netflix”. Também lançado em 2014, o filme conta a história de Marlombrando (Breno Nina) que volta à sua cidade natal devido a doença de sua mãe e, lá, reencontra seu pai, Almeida (Othon Bastos), que luta para manter em funcionamento o Cine Drive-In, do qual é proprietário há 37 anos, mas que, atualmente, não consegue atrair público. Pai e filho acabam entrando em uma jornada que mistura passado, presente e futuro.

LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “CINEMA”

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.