CINEMA: Solidão, luto e música no surpreendente Rudderless

Há sempre uma trilha a ser percorrida para lidar, aceitar e superar o luto. Saudade, ausência, medo, impotência, lamento, arrependimento, frustrações… esses são alguns dos sentimentos que compõem o turbilhão de emoções que acompanham a perda de pessoas que nos são importantes. O filme “Rudderless” (2014), do diretor William H. Macy, se vale desse momento delicado para traçar uma bela reflexão sobre a solidão e a dor causadas pelo luto.

O longa conta a história de Sam (Billy Crudup), um publicitário que vem se destacando em seu trabalho. Após conseguir mais uma vitória profissional, telefona para o seu filho Josh (Miles Heizer), um universitário que dedica horas em composições e gravações caseiras de músicas. Sam pretende comemorar o seu sucesso com Josh, mas o jovem não aparece no encontro. Uma notícia de TV explica a ausência: o estudante está entre as vítimas de um tiroteio na universidade.

A morte prematura do filho – e as culpas por construir um relacionamento falho – corroem Sam, que dois anos após o incidente ainda não consegue superar o luto. Nesse momento, o até então publicitário se vê morando em um barco e trabalhando como empreiteiro de obras. Certo dia, Emily (Felicita Huffman), sua ex-mulher e mãe de Josh, faz uma visita surpresa e entrega para ele as gravações e composições do filho.

Sam, então, encontra outra forma de lidar com a sua perda. Lendo e escutando as gravações se sente mais próximo do filho, compreendendo-o de outra forma. Ele resolve tocar as canções em um bar, o que chama atenção de Quentin (Anton Yelchin), um jovem que tenta construir uma carreira como músico. A dupla resolve montar uma banda – chamada Rudderless – e começam a se destacar diante o público.

Desse encontro casual começa a nascer uma amizade que transforma Sam. A música parece ser um canal de redenção, que torna mais fácil lidar com o luto ao mesmo tempo em que percebe que o filho ainda tinha algumas mensagens para passar. O relacionamento com Quentin acaba por suprir o buraco deixado pela morte de Josh. O turbilhão de emoções encontra uma válvula de escape que promete dias melhores.

Porém, a vida não é um roteiro pré-concebido e, em algum momento, ela oferece algumas guinadas que mudam radicalmente o caminho que, até então, se enchia de possibilidades. Fantasmas do passado voltam a atormentar, mentiras vêm à tona e parecem desmoronar as pequenas conquistas, a perda da confiança pode derrubar as amizades recém construídas e que até mesmo a mais simples das situações exige uma reflexão mais complexa de nossos atos.

Mas somos capazes de aprender com os nossos erros, aceitar as nossas perdas e, com o incentivo necessário, perdoar o passado e lidar com as consequências das mais terríveis escolhas. “Rudderless” possui um roteiro complexo e maravilhoso que nos mostra que a aceitação pode ser alcançada por diversos caminhos e que sempre há espaço para recomeços – apesar de toda dor que precise enfrentar. O filme nos surpreende em seu final e nos leva a uma longa reflexão. Mas para chegar até lá é necessário preparar a pipoca, sentar no sofá e ligar a TV.

FICHA TÉCNICA

 Nome original: Rudderless
País de origem: EUA
Ano de lançamento: 2014
Gênero: Drama, Música
Duração: 105 minutos
Diretores: William H. Macy
Roteiristas: William H. Macy
Elenco: Billy Crudup, Anton Yelchin, Felicity Huffman, Miles Heizer, Selena Gomes, Laurence Fishburne

TRAILER

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “CINEMA”

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.