CINEMA: Prêmio Netflix pretende dar visibilidade às produções brasileiras independentes

A Netflix promoveu uma transformação no mercado do entretenimento e, não à toa, conquistou vários punhados de clientes por todo o globo. Mais do que um serviço de streaming de vídeos, a empresa se notabilizou pelo investimento na qualidade de seus conteúdos originais que, aliado a um catálogo diversificado de produções, colocou a empresa na vanguarda do audiovisual mundial.

A equipe da Netflix vai além da oferta de filmes, documentários, séries, animes e desenhos. A sua estratégia de relacionamento com o público, sobretudo nas redes sociais, é exemplo de boas práticas e empreendedorismo digital. Porém, a empresa vai bem mais além do que propor uma mudança não só na forma como consumimos o audiovisual, mas também por desenvolver projetos que visem à valorização das produções independentes.

Na primeira quinzena de setembro foi lançada mais uma edição do “Prêmio Netflix” – criado em 2013 –, que tem como objetivo dar visibilidade para as produções independentes e alçar filmes nacionais para uma audiência global. Bastante interessante, não?! Ao todo são dez filmes concorrentes e, destes, dois serão escolhidos para serem licenciados mundialmente pela plataforma de streaming.

Um dos filmes vencedores será definido por voto popular – para fazer a sua escolha basta clicar aqui – e o outro por um júri técnico, que será formado por nomes do cenário cultural brasileiro, como atores, diretores e influenciadores. A votação se encerra no dia 03 de outubro e os vencedores serão anunciados no dia 05 de outubro.

Confira abaixo quais são os filmes que estão na disputa do “Prêmio Netflix”:

Califórnia

Direção: Marina Person. Ano de lançamento: 2015. Em 1984, Estela (Clara Gallo) enfrenta a conturbada adolescência e seus dilemas, como sexo, namoros e amizades. A garota acaba recebendo a visita do seu tio Carlos (Caio Blat), que passou uma temporada na Califórnia. Porém, a garota percebe seu tio fraco e doente. Estela, então, passa a enfrentar uma realidade que vai mudar a sua vida.

Levante!

Direção: Susanna Lira e Barney Lankester-Owen. Ano de lançamento: 2015. Filmado de forma colaborativa em cinco países e com a utilização de celulares, drones e tablets, o documentário mostra a história de diferentes grupos que utilizam a tecnologia para mostrar as condições de seus países para o mundo.

My Name is Now

Direção: Elisabete Martins Campos. Ano de lançamento: 2014. Elza Soares é uma das figuras mais poderosas e emblemáticas da cultura brasileira. “My Name is Now” não se trata de um filme sobre a carreira e vida da cantora, mas um retrato daquilo que ela está vivendo – e, a partir de suas visões, vemos um retrato único do Brasil.

Ventos de Agosto

Direção: Gabriel Mascaro. Ano de lançamento: 2014. Shirley (Dandara de Morais) sai da cidade grande para cuidar da avó e trabalhar em uma fazenda de cocos no litoral. Em sua nova vida, conhece Jeison (Geová Manoel dos Santos) com quem começa um caso de amor. Porém, certo dia de agosto, um pesquisador aparece para registrar o barulho dos ventos alísios. Shirley e Jeison, então, passam a viver uma jornada sobre perda de memória, vida e morte, vento e mar.

À Queima Roupa

Direção: Thereza Jessouroun. Ano de lançamento: 2014. A chacina de Vigário Geral, que aconteceu em 1993, no Rio de Janeiro, é um dos casos de maior violência do país. Esse documentário investiga a violência e corrupção policial praticada na capital carioca nos últimos 20 anos. A brutal realidade desse período é evidenciada por depoimentos de vítimas e familiares de pessoas envolvidas no fatídico caso.

Porque Temos Esperança

Direção: Susanna Lira. Ano de lançamento: 2014. O filme mostra a trajetória da pernambucana Marli Silva que percorre presídios do Recife com o objetivo de que pais reconheçam seus filhos. Um trabalho dedicado a causar alguma transformação social.

Obra

Direção: Gregório Graziosi. Ano de lançamento: 2014. Em São Paulo, o jovem arquiteto João Carlos (Irandhir Santos), que está trabalhando em seu primeiro grande projeto, testemunha a descoberta de um cemitério clandestino em um terreno pertencente a seus antepassados. A partir daí passa a questionar seu passado, sua origem, herança familiar e a memória da cidade à qual pertence.

O Último Cine Drive-In

Direção: Iberê Carvalho. Ano de lançamento: 2015. Marlombrando (Breno Nina) volta a Brasília por causa da doença da sua mãe. Ele acaba encontrando, depois de muitos anos, seu pai, Almeida (Othon Bastos), que é dono do último drive-in do Brasil e luta para manter vivo o seu cinema – que está ameaçado de demolição.

A História da Eternidade

Direção: Camilo Cavalcante. Ano de lançamento: 2014. Três histórias de amor mudam a paisagem afetiva dos moradores de um pequeno vilarejo no Sertão. Essas pessoas têm uma concepção de vida limitada e dividida por seus instintos humanos e um destino cego e fatalista.

Clarisse ou Alguma Coisa Sobre Nós Dois

Direção: Petrus Cariry. Ano de lançamento: 2015. Clarisse (Sabrina Greve) revê seu pai, que está muito doente. Desse encontro emergirão diversos ressentimentos. O ambiente de conflito afetará Clarisse, que se vê em meio a um cenário dividido por uma árida pedreira e uma pulsante floresta. Enquanto isso, o marido de Clarisse e seus negócios esperam na cidade pelo desfecho.

LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “CINEMA”

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.