CINEMA: Hoje é dia de maratona brasileira na Netflix

Parece que as produções da Netflix ganharam as linhas dessa coluna, mas não tem como deixar de falar da estreia de “3%”, a primeira série original brasileira da plataforma de streaming – e que está disponível para o público de 190 países a partir desta sexta-feira, 25 de novembro. A iniciativa pode abrir portas para que mais produções tupiniquins ganhem as atenções da distribuidora de produtos audiovisuais.

A série foi criada pelo roteirista Pedro Aguilera, que viu em obras cinematográficas, como “Jogs Vorazes” e “Divergente”, e em clássicos da literatura, como “1984” (de George Orwell) e “Admirável Mundo Novo” (de Aldous Huxley), a inspiração necessária para criar a sua própria história. O resultado é “3%”, que teve quatro episódios publicados originalmente no Youtube, num já longínquo 2009.

Naquela época, a minissérie chamou atenção do público, que abraçou a produção de ficção científica brasileira. O rebuliço foi tanto que logo chegou à equipe da Netflix, que abraçou a iniciativa e ofereceu os recursos necessários para que fosse produzida uma temporada completa. Com oito episódios no total, “3%”, que agora chega ao público, foi gravada em São Paulo e necessitou de todo um trabalho de computação gráfica para dar o seu formato final.

César Charlone, indicado ao Oscar de Melhor Fotografia pelo icônico “Cidade de Deus”, assina a direção da série, que retrata um futuro distópico em que os brasileiros se veem divididos entre o Continente (um local em que se vê a devastação causada pela civilização e a escassez de bens básicos) e o Maralto (que promete uma nova vida baseada no progresso e justiça). A desigualdade é um tema central dessa produção.

Para que uma pessoa possa sair da vida miserável e alcançar a redenção, é necessário superar o Processo, uma série de provas físicas e psicológicas permitidas apenas para jovens com 20 anos. Porém, somente 3% dessas pessoas conseguiram superar os obstáculos e assegurar uma nova vida.

Com esse enredo, a expectativa é de que o Brasil seja bem representado num universo que vem se destacando pela alta qualidade das produções – sejam elas séries, documentários ou filmes. Nesta sexta-feira, a maratona na Netflix é toda brasileira. Prepare a pipoca!

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “CINEMA”

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.