GASTRONOMIA: Alimentação consciente

A rotina agitada, as comidas pré-preparadas, as facilidades dos deliverys, dentre outros fatores contribuem para algo que eu considero muito sério: não conhecer a origem dos alimentos que consumimos.

Estamos tão preocupados em suprir essa necessidade básica de saciar a fome, de ingerir proteínas e vitaminas para manter nosso corpo funcionando bem, que não nos lembramos de nos perguntar: de onde vem esse alimento?

O pão quentinho do café da manhã, você já se perguntou de onde vem o trigo ou se é uma mistura pré-pronta colocada em uma máquina com água e realçador de sabor? E o presunto, a manteiga, o bife e a salada do almoço, de onde eles vem?

Eu acredito muito que um grande passo para alimentação saudável e para uma qualidade de vida melhor está na resposta para estas perguntas. Conhecer a procedência dos alimentos que colocamos à mesa, saber de onde vem aquilo que ingerimos é essencial para a consciência alimentar.

Claro, não dá pra saber exatamente de tudo, e se procurarmos saber, eu lhes asseguro que vamos desejar ser como as plantas e fazer fotossíntese. Mas, se você pode saber de onde vem os legumes, frutas e verduras que estão toda semana lá no sacolão do seu bairro, faça isso. Converse com o dono, procure saber de quem e como ele compra, se ele busca no CEASA ou se dá preferência a pequenos produtores da região (se for assim, melhor ainda, vire cliente fiel!).

No açougue faça a mesma coisa. Converse com o açougueiro, confira se as carnes possuem SIF, o selo de Serviço de Inspeção Federal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que identifica os alimentos com procedência conhecida, registrados e inspecionados pelo governo.  Verifique se os funcionários estão usando uniforme, se estão limpos, se estão com os equipamentos de segurança e se o local está em boas condições de higiene. Não custa nada! Você já está lá e isso garante que você leve para casa insumos em perfeitas condições de consumo.

No supermercado dê preferência para produtos não industrializados.

LEIA OS RÓTULOS!

Verifique a composição do que você está colocando dentro do seu corpo, o que você está oferecendo à sua família, a seus filhos. Confira a data de validade e, se ficar em dúvida sobre algum ingrediente da composição, pesquise e se informe antes de comprar.

Opte por produtos frescos e menos manipulados sempre que possível. Evite as carnes em bandejas de isopor, frios e embutidos já fatiados e embalados, frutas e legumes descascados e porcionados previamente.

Conhecer a história por trás das marcas estampadas nas embalagens ajuda na melhor escolha do que colocamos nos carrinhos de compra dos supermercados.

Pode parecer chato e trabalhoso – e muita vez é –, mas só assim conseguiremos escolher com consciência o que levamos às nossas mesas e oferecemos ao nosso corpo.

Comer bem é, antes de tudo, fazer boas escolhas, escolhas conscientes.

Comentários

Kamila Duarte de Jesus ou simplesmente Nêga, como é chamada pela família e pelos amigos, traz a paixão pelas panelas no DNA. Bisneta de Raimundo Cozinheiro - cozinheiro dos ingleses que vieram para Itabira junto com a Companhia Vale do Rio Doce -, aprendeu a cozinhar ainda criança quando usava um mini fogão a lenha para preparar guisados e batatas para suas bonecas. Formou-se em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário Newton Paiva por ouvir de todos que era muito criativa. A paixão pela gastronomia passou de brincadeira de criança a assunto de adulto e já atuando profissionalmente na área se formou em Cozinha Profissional pelo Senac – MG em 2014. Acredita que um bom prato de sopa até cura, que doce é um carinho na alma e que cozinhar é uma maneira de demonstrar amor ao próximo.