MÚSICA: Ainda há uma chance – parte 1

Essa semana pego carona na passagem do Pearl Jam pelo Brasil para escrever esta coluna. Mais especificamente no perfil socioambiental da banda, que, após doar todo seu cachê do show em BH para as vítimas de Mariana, anunciou que vai investir uma grana em projetos de preservação aqui, em terras tupiniquins.

Essas atitudes, mais do que elogiáveis, são necessárias, não só pelo valor financeiro disponibilizado, mas principalmente pela repercussão gerada. Propagandas de boas causadas são cada vez mais essenciais.

Vou listar aqui algumas bandas que tem em seu DNA a luta pelo meio ambiente.

Claro que não dá pra falar aqui toda a história de cada banda ou artista, mas vou citar ao menos um fato que os coloca nesta lista. Nem todos os artistas levam essas características para as músicas, mas o importante é agir, não é verdade?!

Vamos lá!

Pearl Jam
A primeira delas não poderia ser ninguém menos que o Pearl Jam. Os caras estiveram no Brasil e, além de fazer shows fantásticos, levantarem bandeiras sobre o desastre em Mariana e os ataques na França, ainda resolveram ajudar com dinheiro a preservação ambiental.

Dave Mathews Band
Já citei essa banda em algumas colunas pela qualidade do som etc. Hoje eles entram na lista pela grande preocupação com o meio ambiente e com a inclusão social em todo mundo. A banda tem várias parcerias com ONGs ambientalistas e participa de projetos como Filter For Good, que incentiva o público de seus shows a levarem suas garrafas de água, evitando a compra e utilização de garrafas pet no evento. Eles também auxiliaram a construção da Rosebud Wind Turbine, a primeira turbina de vento de grande escala dos Estados Unidos.

U2
O U2 é uma banda tão famosa por suas músicas quanto pelo seu engajamento social. Isso principalmente na pessoa do seu vocalista: Bono Vox. Bono é fundador da DATA (Debt, AIDS, Trade Africa), criada para pressionar o governo das nações mais desenvolvidas a fazer sua parte na luta contra a pobreza extrema na África, e também a ONE, que promove eventos para ajudar pessoas que vivem em zonas de risco e extrema pobreza. A banda, em 2014, colocou uma de suas músicas para serem baixadas gratuitamente durante 24 horas em um aplicativo. A cada música baixada o Bank of America doaria um dólar ao Fundo Global de Luta contra a Aids, Tuberculose e Malária.

Bono Vox foi indicado três vezes ai prêmio Nobel da Paz.

Neil Young
O cara além de uma lenda do rock!  É um dos artistas mais engajados em causas sócias em todo mundo. Para se ter uma ideia ele foi o idealizador do Farm Aid, famoso show que reuniu grandes artistas para ajudar os agricultores americanos que corriam sérios risco de perderem suas propriedades através de dívidas hipotecárias. Hoje, todo o seu equipamento é transportado em veículos sustentáveis. Young também lançou a pouco tempo um site que visa discutir os riscos dos alimentos transgênicos, o futuro da agricultura, as mudanças climáticas e o poder de grandes empresas agrícolas.

 Site: http://www.goearth.org/

Sting
O eterno baixista do The Police é um dos principais nomes da música mundial quando falamos em preservação ambiental e preocupação com o ser humano. Em 1980, Sting criou a ONG Rainforest Foundation, entidade que tinha como objetivo lutar pela demarcação de terras indígenas. Quem não se lembra do Cacique Raoni Kayapó sempre presentes em seus shows pelo mundo? Outra atitude notável de Sting foi o patrocínio à fabricação de bolas que não furam, feitas de um material similar aos dos sapatos CROCs, destinadas à crianças de baixa renda em todo mundo, principalmente em zonas de guerra ou de extrema pobreza.

Página sobre a bola: http://www.laparola.com.br/one-world-futbol-a-bola-indestrutivel

Atitudes como essas fazem com que acreditemos que ainda é possível mudarmos o mundo de alguma forma, tornando-o mais agradável para se viver.

Abraço a todos.

Comentários

André Luiz é publicitário, sócio fundador da Origami Propaganda, músico e um apaixonado pelo cinema. Viciado em páginas de Design e programas de culinária, mesmo sem saber aplicar nada na cozinha. Amante do futebol, tanto no campinho do bairro quanto nos grandes estádios, e das suas companhias: o "tira-gosto" e a cerveja.