Missão Artemis levará primeira mulher à Lua

No ano em que se relembra e comemora os 50 anos da chegada do homem à Lua, a NASA anunciou uma nova empreita ao satélite terrestre: a missão Artemis, que levará a primeira mulher ao astro. O nome não foi escolhido ao acaso, obviamente. Artemis é a deusa grega da Lua, irmã gêmea de Apollo, o deus que deu nome ao projeto responsável por levar os primeiros humanos até lá em 1969.

Na história oficial de exploração da Lua, até hoje, um total de 12 pessoas tiveram a honra de por os pés no satélite — todos homens e brancos. Uma desigualdade que vai além da falta de representatividade. A recente polêmica envolvendo os trajes espaciais, em que a NASA só tem um que serve para mulheres, causou o afastamento de Anne McClain da missão que faria história com duas mulheres executando uma caminhada espacial totalmente feminina. Sem dois trajes adequados, o astronauta Nick Hague substituiu McClain e partiu na missão ao lado de Christina Koch.

Por falar nisso, o atraso norte-americano, quando o assunto é participação feminina na exploração espacial, é notável. Os soviéticos já caminham anos-luz à frente, já que a cosmonauta Valentina Tereshkova, primeira mulher no espaço, chegou lá em 1963, dois anos depois de Yuri Gagarin. Só 20 anos mais tarde, em 1983, a NASA lançou sua primeira mulher, Sally Ride.

Felizmente, a agência parece ter percebido seu atraso e está correndo atrás do prejuízo. Levando em consideração a duração e o alto grau de complexidade da formação de astronautas pela NASA, a mídia internacional especula que a primeira mulher a pisar em solo lunar é uma das que já fazem parte da agência espacial norte-americana.

Muita gente tem apostado as fichas nas experientes Shannon Walker, Stephanie Wilson e Cristina Koch. Além delas, as engenheiras de voo Jeanette Epps e Serena Auñon-Chanceler são nomes importantes nessa corrida. Acontece que há outras mulheres se destacando. É o caso da mais jovem e promissora astronauta da Nasa, Anne McClain; da especialista em vida marinha, Jessica Meir; a primeira pessoa a sequenciar o DNA no espaço, Kate Rubins; e a especialista em missões com o telescópio Hubble, Megan McArthur.

Outras mulheres podem vir a integrar essa lista, já que a previsão é levar seres humanos ao polo sul da Lua em 2024.

LEIA MAIS

 

Comentários